Serviços Instituo CER

Problemas Circulatórios

O risco atual para o desenvolvimento de insuficiência cardíaca é estimado em 20-46% para pessoas com 45 anos.

Hoje, mais de 23 milhões de pessoas sofrem com a doença em todo o mundo!
Cada vez mais, estudos apontam que a vitamina D, um hormônio secosteróide, pode modificar o curso de doenças, incluindo insuficiência cardíaca.
Pacientes com insuficiência cardíaca têm um risco extremamente alto de morbidade e mortalidade, incluindo morte súbita cardíaca.

A deficiência de vitamina D é prevalente em grupos de pacientes com insuficiência cardíaca, incluindo pacientes idosos ou pacientes com doença renal.

A vitamina D está diretamente envolvida na contração dependente do cálcio do coração. Os cardiomiócitos e as células musculares lisas vasculares possuem tanto receptores de vitamina D como proteínas de ligação ao cálcio dependentes de calcitriol (forma ativa da vitamina D – colecalciferol). A deficiência de vitamina D também propicia o aumento de citocina pro-inflamatórias como TNF- e Interleucina-6.
A suplementação de vitamina D juntamente com a ozonioterapia levam a um efeito cardioprotetor pela inibição de enzimas pro-inflamatórias e na regulação positiva da síntese da citocina anti-inflamatória IL-10.

Deficiências de IL-10 propicia o acúmulo de ateroma. (Aterosclerose – placas de gordura nas artérias)

O ozônio modula o estresse oxidativo, e o sistema imune, assim diminuído toxinas inflamatórias, além de sua ação lipolítica e anti trobolitica.